Profecias – Bíblia

191_home

1) FORMAÇÃO DO TEXTO BÍBLICO

1.1) Antigo Testamento

1.1.1) Texto original resguardado pelos judeus em aramaico-hebraico (443 a.C.) compreendendo os textos canônicos.
Nos séculos VIII e IX d.C. foram fixadas as vogais e anotações a margem do texto conhecido como Massorá (versão Massorética).
1.1.2) Targum Grego (300 a.C.) conhecido como versão dos Setenta, utilizado pelos judeus da diáspora incluindo textos deuterocanônicos e apócrifos. Inclui o Pentateuco e os Livros Históricos com exatidão e os proféticos e didáticos com muitas falhas.
1.1.3) Hexápla de Orígenes (190 d.C.) Texto em seis colunas sendo a primeiras coluna o texto hebraico, a segunda o texto hebraico com letras gregas, a terceira com a versão de Aquia, a quarta com a versão de Símaco, a quinta com a versão dos Setenta e a sexta com a versão de Teodósio.
1.1.4) Versões Latinas (391 d.C.) Texto Romano e Cartaginês baseada na versão dos setenta. Revisado por Jerônimo com base no original formando a Vulgata com numerosos retoques posteriores.
1.1.5) Versões Tardias – Destaca-se a versão de Lutero e Luís Capelle (século XVI d.C.) tradução do original e com excelente qualidade.
1.2) Novo Testamento
1.2.1) Evangelhos Orais:
– Jerusalém – Galaico
– Roma – Latim
– Antioquia – Grego
1.2.2) Evangelhos Escritos
Todos escritos em grego:
– Segundo Mateus (60 d.C.)
– Segundo Marcos (55 d.C.)
– Segundo Lucas (60 d.C.)
– Segundo João (100 d. C.)
As Epístolas estão escritas em diversas versões: Siriáica, Latina, Copta e Armênia.

2) CLASSIFICAÇÃO DO TEXTO BÍBLICO

2.1) Categorias quanto a Origem:

2.1.1) Canônicos: São livros aceitos por todas as Igrejas Cristãs
2.1..2) Deuterocanônicos: São livros e fragmentos aceitos por algumas Igrejas Cristãs que se baseiam na Bíblia Grega (versão dos Setenta).
Corresponde aos seguintes livros: Tobias, Judite, Sabedoria, Eclesiástico, Baruc, Epístola de S. Tiago, II S. Pedro, Epístola de S. Judas, I e II S. João, o Apocalipse e Fragmentos dos Evangelhos de S. Marcos (16: 09-20), S. Lucas (22: 43-44), de S. João (7:53 – 8:11).
2.1.3) Apócrifos: São livros cuja origem é duvidosa ou oculta.
Destacam-se os seguintes:
2.1.3.1) Da Bíblia Grega: Esdras I, III e IV Macabeus, Odes, Salmos de Salomão.
2.1.3.2) Outros Livros: Enoch, Evangelho de Tomás, Evangelho Árabe da Infância de Jesus, Evangelho e Apocalipse de Pedro, Evangelho de Nicodemos e etc.
2.1.4) Agraphas: tradições consideradas canônicas atribuídas aos apóstolos no entanto de caráter fragmentário não fazendo parte do corpus bíblico.

3) COMPOSIÇÃO BÍBLICA

3.1) BÍBLIA HEBRAICA  (Antigo Testamento)

3.1.1) Lei ( Torá) é composta pelos cinco primeiros livros: Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio
b) Profetas b.1) Profetas Anteriores: Josué, Juizes, Samuel (I e II reunidos), Reis I e II reunidos.b.2) Profetas Posteriores: Isaías, Jeremias, Ezequiel, Os Doze (Oséias, Joel, Amós, Abdias, Jonas, Miquéias, Naum, Habacuc, Sofonias, Ageu, Zacarias e Malaquias).
3.1.2) Escritos (ou Hagiógrafos)Salmos, Jó, Provérbios, Rute, Cânticos dos Cânticos, Eclesiastes, Lamentações e Ester.
3.1.3) Rolos designados para leitura nas festas judaicas:Daniel, Esdras – Neemias, Crônicas.(Classificação com 24 livros como aceita pelos judeus)

3.2) BÍBLIA GREGA (Antigo Testamento)

3.2.1) Legislação e História:Pentateuco (Gênesis, Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio), Josué, Juizes, Rute, Quatro Livros dos Reinos (I e II Samuel e III e IV Reis)Paralipômenos I e II (= Crônicas), Esdras I (apócrifo), Esdras II (= Esdras – Neemias)Ester (com fragmentos próprios do grego), Judite, Tobias, Macabeus I e II ( mais III e IV apócrifos).
3.2.2) Poetas e ProfetasSalmos, Odes (apócrifo), Provérbios de Salomão, Eclesiastes, Cânticos dos Cânticos, Jó, Livro da Sabedoria (Sabedoria de Salomão), Eclesiástico ( Sabedoria de Sirac), Salmos de Salomão (apócrifo)Doze profetas menores (Dodéka proféton) na seguinte ordem: Oséias, Amós, Miquéias, Joel, Abdias, Jonas, Naum, Habacuc, Sofonias, Ageu, Zacarias, Malaquias.Isaías, Jeremias, Baruc (= Baruc 1-5), Lamentações, Carta de Jeremias ( = Baruc 6), Ezequiel, Susana (= Daniel 13), Daniel 1-12 (3: 24-90), Bel e o Dragão (= Daniel 14).

3.3) BÍBLIA GREGA ( Novo Testamento)

3.1.1) Evangelhos: Mateus, Marcos, Lucas e Joãob) Atos dos Apóstolos, Epístolas ( aos Romanos, aos Coríntios I e II, aos Gálatas, aos Efésios, aos Filipenses, aos Colossensses, aos Tessalonicenses I e II, a Timóteo I e II, a Tito, a Filemon, aos Hebreus, de Tiago, de Pedro I e II, de João I, II e III, de Judas) e o Apocalipse de João.

4) CONCEPÇÕES DE INTERPRETAÇÃO DE PROFECIAS

4.1) Primitivista –
Interpretação das Escrituras no plano de sua época. Caracteriza-se por ser literal e limitada. Correspondia a tentativa dos primeiros seguidores conhecer os significados da revelação dos Profetas.
4.2) Futurista –
Esta categoria de interpretação projeta os eventos registrados nas Escrituras para consumação futura não aceitando a possibilidade de algum evento ter sido cumprido. Está interpretação está presente na maioria dos grupos sectários milenaristas.
4.3) Pretérita –
Segundo os preteristas os eventos proféticos já foram cumpridos não são aplicáveis ao presente e nem ao futuro.
4.4) Filosófica –
Esta interpretação desvincula os eventos do contexto histórico e expressa em termos de símbolos filosóficos, psicológicos e astrológicos. Não admite a profecia como uma realidade concreta mas sim como uma dimensão mítica.
4.5) Histórica-Simbólica –
Esta interpretação une aspectos simbólicos e históricos relacionando os à acontecimentos atuais. Todavia, esta concepção, gera muitas interpretações conflitantes. Para os seus defensores as interpretações são como facetas de uma mesma verdade.
4.6) Autoritativa –
Corresponde as interpretações dos Fundadores das Grandes Religiões Históricas.

5) DATAÇÃO EM PROFECIAS BÍBLICAS

5.1) Datação sob bases Bíblicas
5.1.1) Teoria de cálculo do tempo em Profecia:
Nm 14,34; Ez 4,6-7.
Tempo corresponde a 360 dias de 12 meses de 30 dias.
Gn 7,11; Gn 8,4; Gn 7,24
Dia 17 do 2º mês até o dia 17 do 7º mês é igual a 150 dias = 5 meses de 30 dias.
1 dia em profecia = 1 ano de 360 dias.
5.2) Análise da Profecia de Daniel
5.2.1) Referência feita por Jesus:
Mt 24,15
5.2.2) Referência feita por Daniel
Dn 8 a Dn 12
5.2.3) Interpretação de FUNK (1564) teólogo alemão:
5.2.3.1) 1 ª Vinda do Messias
– Da emissão do decreto da reconstrução de Jerusalém até a morte do Messias decorreriam 70 semanas.
– Esta datação aparece em Daniel de duas formas:
(i) 70 semanas;
(ii) 7 semanas, 62 semanas e 1 semana. (Dn 9,25-27)
– 70 semanas = 490 dias = 490 anos em profecia.
5.2.3.1.1) 1 º Passo – Datação do decreto
– Decreto – Ciro 534 a.C (Ed 1) não foi cumprido.
– Decreto – Dário 519 a.C. (Ed 6) não foi cumprido.
– Decreto – Artaxerxes (457 a.C. – .456 a.C.) (Ed 7); renovado em 444 a.C. (Ne 2) cumprindo o terceiro decreto.
5.2.3.1.2) 2º Passo – Cálculo se considerarmos o ano 457 a.C. até a crucificação passariam 490 anos.
490 – 457 = 33 anos, que é a idade aproximada de Jesus quando foi crucificado.
Segundo o Evangelho, Jesus nasceu antes da morte de Herodes o Grande. Herodes morreu entre 8 a.C e 4 a.C..
5.2.3.2) 2º Vinda do Messias:
Mt 24,15-30
Purificação do Santuário: Dn 8,13-14
5.2.3.2.1) 3 º Passo – Calculo da data:
2300 dias = 2300 anos
3º Decreto 457 ou 456 a.C
2300 – 457 = 1843
2300 – 456 = 1844
(do Decreto de Artaxerxes 1º Nisan de 457 a.C até 1º Nisan 1844 d.C se passaram 2300 anos no calendário judeu
5.3) Tempo dos Gentios:
Lc 21,24-27
Édito de Tolerância proclamado no ano 1260 AH = 1844 d.C
5.3.1) Apocalipse de João
Ap 11, 1-5
1260 dias = 1260 anos em profecia
1260 anos x 354 dias (Calendário muçulmano) = 446040 dias.
446040 ¸ 365 dias (Calendário Gregoriano) = 1222 anos.
Hégira foi no ano 622 d.C
622 + 1222 = 1844 d.C
5.4) Corte de 1/3 dos Crentes
Ap 9,15-18
1453 d.C. Tomada de Constantinopla e queda do Império Bizantino e da Igreja Ortodoxa Oriental.
Três Igrejas sustentavam o Cristianismo: Católica Romana, Católica Ortodoxa e Protestante.
1 dia = 1 ano
1 mês = 30 dias = 30 anos
1 ano = 360 dias = 360 anos em profecia
1 + 30 + 360 = 391 anos em profecia.
1453 + 391 = 1844 d.C.
5.5) Os Sete Vezes Sete Tempos interpretação de MILLER (1772-1849)
e.1) Lv 26,28-33; Dn 4,25
7 tempos = 7 anos = 2520 dias = 2520 anos
Punição dos judeus ocorrida com o cativeiro de Judá na Babilônia IICr 33,9-13, ocorreu em 677 a.C ou 676 a.C (ano solar).
2520 – 676 = 1844 d.C.
Destruição de Jerusalém por Nabucodonosor entre 602 e 604 a.C.
Segundo calendário babilônico (lunar) decorreram 2520 anos até 1844 d.C.